terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Trovões

Soa trovões pelo céu
e eu em um barco de papel
descobrindo mais um véu
que não formei com um anel
se foste embora tão cruel
e nem sentiste o mel
dos meus beijos ao leo
de uma sensação de dor
da vida do meu amor.


**POESIA CRIADA 1997

Nenhum comentário:

Postar um comentário