terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Voz

Ouvi a voz no silêncio do meu quarto
tão obscura, tão obscena, eu vi a cena
em reprises de uma novela sem fim
eu lutava para não te perder
mas você saiu de mim.

E a voz sussurrava intimamente em minha cabeça
coisas que eu não queria ouvir
esqueça, esqueça, me esqueça
eu queria então morrer, queria fugir.

A voz perpetuou-se em longa noite
me torturando com lembranças do passado
eu vi a minha morte, eu vi a foice
eu olhava para a imensidão, sem você ao meu lado.

E tudo começou a se repetir
a voz me tirou a vida e a razão
meus olhos viram você partir
e comigo só ficou a voz da solidão.


**poesia criada em 1996

Nenhum comentário:

Postar um comentário