quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

No ar

Por um instante parei no ar
contemplava o horizonte
em um ar meio patético
sei que isso é estranho
e um pouco demais poético
mas eu estava lá
duro, paralisado e estático
o ar ao meu redor me acariciava
o vento afagava meus cabelos
e o sol amparava minhas lágrimas.
Lágrimas estas de alegria
alegria de viver e respirar
de poder tocar o sentimento
sem medo e sem preconceito.
Então comecei a descer
até os meus pés tocarem o chão
senti loucura, alegria sem igual
abri lentamente os olhos
e num raio, rápido lampejo
levitava tanto assim
quanto tu me deste um beijo.


**POESIA CRIADA EM 1996

Nenhum comentário:

Postar um comentário