quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Tarde da noite

Sempre tentei evitar o amor e a paixão
fiz do meu coração um bloco de gelo
uma prisão isolada e inexpugnável
como uma ilha deserta em alto mar.
Nada fazia brotar lágrimas dos meus olhos
havia apenas um sentimento inóspito
que de tão denso parecia um pilar.
Então um dia você apareceu com seu olhar
suas palavras pareciam ter magia
seu perfume pouco a pouco me entorpecia
e o bloco de gelo começou a derreter.
Seu amor parecia sugar minhas forças
seu abraço sequestrava minha alma
me fez chorar por algo que temia
me fez solução num engasgo da palavra amor.
Como um servo, um escravo, um descobridor
me empenhei nesse sentimento sem sentido
dei vazão a toda paixão sentida
e esqueci um pouco de ter razão.
Um dia você me disse:
Lembre-se sempre de mim ao fechar os olhos.
Hoje nem é preciso fecha-los.
Pois lembrar você é só o que eu faço
depois que te perdi!


**POESIA CRIADA EM 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário