domingo, 18 de maio de 2014

Tchê, me perdoa guria


Toda vida lutando
correndo atrás da vitória
vai o gaúcho solitário
contando a sua história.
O pampa ficou pra traz
sua amada ficou pra traz
da vida desejou vitória
amor não viu jamais.
Triste vai o gaúcho
com o seu cavalo já cansado
a guaiaca já nua
com o seu destino já traçado.
E na viagem
ele vê o sorriso
de sua prendinha linda
que era seu paraíso.
e na agonia do fim de uma vida
o gaúcho ouve sua voz
e com um sorriso, um pouco de sorte
ainda tem tempo de exclamar
- Tchê, me perdoa guria!
e abraça a sua morte.

**POESIA CRIADA EM 1995

Nenhum comentário:

Postar um comentário