domingo, 12 de maio de 2013

Tempestades calmas



Quando recordo os tempos passados
vejo o quanto ele é rápido
tanta face nos oprimiu
tantas tristezas nos pariu.
Como velhos livros na estante
nossas vidas voltam ao pó
um sussurrar, um breve instante
terrivelmente mal acompanhado e só.
E as palavras se tornam evasivas
tornam-se tristes e melancólicas
como hienas carniceiras
como mulheres alcoólicas.
Tento dizer como sou triste
me expresso tão mal
que no fim a tristeza nem existe
e eu acabo sorrindo igual.
Como pensei na morte
nos dias que passaram
mas com a minha sorte
mais vidas me esmurravam.

**POESIA CRIADA EM 1995

Nenhum comentário:

Postar um comentário