domingo, 7 de abril de 2013

De graça



Vem o perfume das rosas
que sangram o meu olhar
tudo é questão passiva
de ao seu lado estar.

Tens um brilho no olhar
que ofusca o meu bem querer
no tempo só em terminar
a minha razão de viver.

E lembro-me do teu sorriso
que me faz enrubescer
no meu tortuoso caminho
de um dia ter você.

**POESIA CRIADA EM 1995

Nenhum comentário:

Postar um comentário