domingo, 9 de setembro de 2012

Biográfias



O céu azul no céu
pinta de preto
o branco do véu
e todos choram
sem derramar
sequer uma lágrima
insensatos ou sensíveis talvez
do conto do era uma vez
em que uma princesa
beijou um sapo
e morreu envenenada
talvez o nada
sempre seja tudo
quando descobrirem
que o amor sobrepuja a tudo.


**POESIA CRIADA EM 1994

Nenhum comentário:

Postar um comentário