domingo, 5 de agosto de 2012

Toda existência é um infinito



Tudo o que senti foi um tiro
mas ninguém tinha atirado em mim
foram as tuas palavras
que me fizeram sentir uma dor sem fim.

Quando eu fecho os meus olhos
ainda vejo o teu sorriso
e num suspiro doido e profundo
digo que é de você que eu preciso.

Mas trezentos e sessenta e cinco já se fizeram
e eu ainda estou aqui com o peito alvejado
tantas lágrimas e sonhos tristes
sofrendo sem você... calado.

A vontade de morrer foi infinita
você era e sempre será meu mundo
que do meu universo deixou de existir
tornando o meu semblante a de um vagabundo.

Toda existência é um infinito
todo amor esta num grito
toda paixão sempre acabara
mas sempre vou te esperar.

Porque tudo é um momento
tudo é simples e passageiro
tudo é um dia de alegria
que senti contigo... um dia.

**POESIA CRIADA EM 1994

Nenhum comentário:

Postar um comentário