domingo, 13 de novembro de 2011

Vistas da minha janela











Hoje acordei com o sol forte
abri a janela e vi vidas, indo e vindo
sem uma direção certa, mas com algum objetivo
vi os carros em posto de gasolina
se abastecendo para uma longa viagem
fiquei pensando sem ter no que pensar
fiquei me imaginando em uma viagem
tentando pegar um ônibus para voltar.
Eu vi pessoas tomando banho de sol
crianças brincando na areia molhada
surfistas com suas pranchas de fibra de vidro
tentando domar o mar enfurecido.
Na noite eu vi muitos jovens
todos insensatos, abusando da liberdade
achando que em um copo de cerveja
ou em um baseado
tornar-se-ão invulneráveis e intocáveis
e penso no que será o futuro de nossos filhos.
Vejo bêbados jogando conversa fora
e em um copo e outro de água ardente
tentam se explicar porque bebem tanto
mas até eles sabem que para beber
não existe uma explicação, não existem desculpas.
Eu fico aqui escutando uma musica
que perde ao cordeiro de Deus
ter piedade de nos e pede paz
e é de paz que estamos precisando
pois eu vi tudo isso em um dia de sol
e imagino se o amor esta começando a ficar escasso
ou se estou enxergando demais
da janela de uma pizzaria em Quintão
pois sou apenas um ex drogado
pois sou apenas um pizzaiolo.

***POESIA CRIADA EM 1994

Nenhum comentário:

Postar um comentário