domingo, 30 de outubro de 2011

Heracles


Passei o inferno, todo ele com frio
congelei a minha alma em um mundo vazio
o meu espírito infestou-se de furúnculos
onde o pus que escorria parecia lágrimas
minhas mãos doíam, meus pés formigavam
não sabia exatamente onde eu estava
meu coração gritava de tristeza e dor
suplicando por um pouco de calor.
O verão chegou, mas não tirou o meu frio
deixei a chuva molhar o meu rosto
sentia desejo de me molhar, tudo em vão
o desespero e a solidão não me abandonavam
o frio cada vez mais cortante
fatiava o meu rosto, me beijava suavemente
tornei-me aquilo que todo ser humano teme
um ser frio e calculista
nada fugia a minha atenção, aos meus olhos
todos diziam que eu não pensava, doce engano
eu pensava sim, antigamente eu pensava
mas apesar do frio de hoje
ainda há calor em meu coração.

***POESIA CRIADA EM 1994

Nenhum comentário:

Postar um comentário