domingo, 25 de julho de 2010

Uma sensação chamada amor


Talvez você nunca saiba o que estou sentindo
mas de uma coisa eu sei, você também ira sentir isso
ira sentir o seu peito apertar
esmagando você por dentro
ira sentir suas pernas fracas
que terá que se agarrar a algo
ira sentir sua boca seca
murmurando palavras sem nexo
ira sentir seus olhos se encherem de lágrimas
toda vez que você pensar, escutar uma musica
e ver a solidão que te agarra.
Então um desespero ira tomar conta de você
e passarão a guiá-la, suas mãos ficaram trêmulas
como as mãos de quem tem mal de Parkinson.
Seu sorriso ira desaparecer de sua face
ficaras séria e fechada
não terás sossego no silêncio
não terás paz no barulho.
A sua razão de viver se tornara diminutiva
a cada hora que passar
um gosto amargo na saliva, suplica por socorro
em um copo de vinho, suas narinas ardem
com a fumaça do cigarro... e você nem fuma.
A fome desaparece e em seu ligar vem à apatia
você jamais escreveu uma palavra de amor, no entanto
vê-se escrevendo uma poesia
com lágrimas no rosto.
No desespero do seu coração
você tenta conversar com alguém
então você descobre que este alguém esta longe
alguém que você realmente queria conversar
e não alguém para se refugiar.
Na hora de dormir, ao apagar das luzes
imagens vêm em sua mente, você tenta banilas
mas agora é tarde e é hora de sonhar
você se entrega de corpo e alma ao seu sonho
e pela manhã, você acorda em soluços profundos,
e sente que algo fugiu, algo que você sempre teve
e agora é o que mais faz falta
sua natureza extrovertida, então você descobre
que esta virando um paria.
Na escola as pessoas parecem te evitar
então as discussões se tornam mais freqüentes
seus amigos se afastaram, você mudou radicalmente
você envelheceu trinta anos, sem sair da adolescência
você se tornou algo difícil de expressar
talvez um iceberg em águas tropicais
e você se acaba em outro copo de vinho.
Alguém pede para conversar, você evita, tenta se esconder
mas esse alguém persiste e suas feições
transmitem certo ar de segurança
certo ar alucinógeno, que te droga aos poucos
então pela primeira vez, nos últimos meses
você desabafa, abre seu coração e chora
chora compulsivamente, esse alguém te abraça
carinhosamente e te faz um afago
pronunciando palavras doces.
Você pergunta o que esta acontecendo, pede socorro
E ela te responde como se te conhecesse há anos
- você esta amando!
Talvez você nunca saiba o que estou sentindo
Mas sei que ira aprender do mesmo jeito que eu
amando!
Talvez as lágrimas que caem do meu rosto
não sejam à toa, sinto que é um teste
um teste de amor e lealdade.
Um dia nossos seres serão um só
E nossos lábios pronunciaram
- eu te amo!

* Criado em 1987

Nenhum comentário:

Postar um comentário